Militância na moda masculina

Vivienne Eestwood _ Spring Summer 2015 _ 10
Cada vez mais, tenho me desencantado com a superficialidade da moda e com a sua lógica perversa de consumismo. Esse lance de que só quem gasta muito em roupas está na moda tem me parecido cada vez mais absurdo. Por isso, tenho titubeado um pouco no blog. É fato que ultimamente estou escrevendo em busca de um novo rumo e que ainda não sei para onde quero ir. Estou, no dia a dia, em busca deste novo lugar.

Talvez, por isso, tenho pensado tanto na moda como um meio para que o homem desenvolva seu próprio estilo, como uma maneira de auto expressão e de libertação mesmo. Muito tem sido dito sobre como a mulher está fazendo para se libertar de valores culturais opressores que as castram. É preciso dizer, também, que há homens que se sentem castrados, que não concordam com o machismo reinante e muito menos com a supremacia do macho-alfa.

Há homens que estão dedicando suas vidas para isso e a moda, se pararmos de insistir que ela é apenas consumo, é uma ferramenta excelente para expressar essa inconformidade. Talvez, meu caro, você nunca tenha pensado nisso antes, mas a roupa que você se usa fala muito sobre o seu posicionamento no mundo.

Por isso, eu insisto tanto para que não usemos couro ou que não paguemos milhares de reais por uma camiseta, por exemplo. Nada disso é necessário e mostra que você é um cara consciente.

Eu acompanho, e curto muito, o trabalho da Vivienne Westwood. Na coleção Verão 2015 que ela apresentou na recente Semana de Moda de Milão, ela não fugiu à regra. Trouxe toda sua militância pacífica para a passarela.

A coleção é alegre e vem com peças com estampas bem inusitadas e coloridas. No entanto, assim como no ano passado, quando denunciou os abusos do Exército americano no Iraque (leia post aqui), neste ano, ela resolveu aproveitar os holofotes que a mídia sempre lança para suas coleções para denunciar o fracking, um método novo de exploração do gás xisto para produzir energia (ninguém sabe ainda quais danos essa exploração pode causar à natureza, às pessoas que trabalham com ela e às comunidades onde a extração é feita). E assim, no meio do glamour das peças da estilista, surgiam estampas denunciando a imprudência do governo britânico e, mais adiante, um modelo mutante, com nariz de porco.

É com um respiro de alívio que vejo trabalhos como este. Vivienne é uma estilista com um longo histórico de militância e nós temos muito o que aprender com ela.

Confira a galeria com os principais modelos desfilados:

 

Anúncios

There is one comment

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s